domingo, Novembro 20, 2011



This application is created by interactive maps.
You can also have your visited countries map on your site.

If you see this message, you need to upgrade your flash player.




Make your visited countries mapJavaScript charts

segunda-feira, Junho 04, 2007

China, Macau - 26 a 31 de Maio 2007

Um simpático convite do Turismo de Macau levou-me até ao último dos territórios ultramarinos de administração portuguesa, que, até 19 de Dezembro de 1999, mantinha vivas as palavras do Poeta: «o Império onde o sol nunca se põe».

Pese embora todo o esforço e bom trabalho desenvolvido nos últimos anos de administração portuguesa, há que reconhecer a pujança desta nova Era, num território onde a China faz questão de mostrar ao mundo todo o seu potencial e poderio económico. É impossível ficar indiferente à obra chinesa em tão poucos anos...

A China é de resto o prefixo e o sufixo de Macau. Não há como camuflar esta ideia, por muito que o sentido patriótico português nos leve evita-la.

Na verdade, não ficaria espantado se ouvisse um qualquer estrangeiro a lamentar-se pelo facto de Macau não ter passado mais cedo para as mãos chinesas, tal a obra feita desde 2000, comparativamente com o investimento português no território.

Macau é a menina dos olhos da China! Não querendo antecipar-me à História, arrisco mesmo em afirmar que até Hong Kong ficará periférica a Macau...

É evidente a vontade chinesa em transferir para Shangai o maior pólo financeiro do país, «sugando» a vitalidade económica de Hong Kong em prole de obra sua, a cidade do futuro, a bela Shangai.

Por outro lado, Macau emerge para o turismo a uma velocidade vertiginosa, algo que Hong Kong dificilmente poderá acompanhar, pois não tem o património histórico da sua cidade vizinha, nem seque por onde crescer do ponto de vista territorial e também não tem tradição nem licença de jogo (que gera milhões para investimento local), nem o glamour de Macau... tão pouco sobra vontade política chinesa...

Por todas estas razões e mais algumas... Macau entra definitivamente no mapa mundi do investimento turístico, financeiro e político... à escala mundial.

Macau não é mais aquela aldeia de portugueses... É Las Vegas dos tempos modernos, como atestam os novos mega hotéis-casinos, à imagem da meca americana do jogo; É Amesterdão do sol nascente, tal a quantidade de terra já ganha ao mar; É Lisboa das colinas e ruelas que desembocam em monumentos; É Sydney do futuro...

Talvez pela assunção de uma frustração já esperada, em particular, depois da «debandada», a ideia de encontrar quem falasse português não fazia parte das minhas expectativas.

A verdade é que fiquei agradavelmente surpreendido por ser rara a rua onde não ouvia a língua de camões, mesmo que de tempos a tempos, entre milhares de cantonenses...

Aliás, o nome das ruas, a sinalética e todas as comunicações oficiais em português deixam bem claro quem por ali passou e a vontade de não apagar a História dos que lá ficaram.

É clara a vontade do governo chinês em demarcar Macau da China continental e daí que alimente a cultura portuguesa, nas suas mais diversas manifestações, integrando-a com a cultura chinesa de forma discreta (ainda que inquestionável). De outra forma, o território seria mais do mesmo e não algo exótico e aliciante para turistas (internos e externos), tal como a fronteira com Zhuhai faz questão de evidenciar.

Hoje, Macau multiplicou-se, em habitantes, em estruturas... em território. Os numerosos terrenos conquistados ao mar, por via do assoreamento estenderam Macau até aos seus limites actuais, bem mais alargados do que alguma vez foram. Adivinha-se que em poucos anos, Macau, Taipa e Coloane sejam uma só, em vez de três desgarradas ilhas que o mundo criou.

A tradicional imagem de pontes que ligam ilhas e territórios, separados por vales, rios ou mares, em Macau é substituída por assoreamentos.

Na verdade, Cotai nasceu assim mesmo... Coloane e Taipa são hoje mesmo uma só ilha (Co + Tai). É aí que irá nascer (se é que falar em Tempo faz sentido em Macau... tal a velocidade vertiginosa do seu desenvolvimento) a nova Stip, a nova Las Vegas, numa megalómana polarização de casinos e hotéis fantásticos, que fazem a transição entre Taipa e Coloane.

Para quem não conhece Macau, recomendaria sempre que a visita da cidade se iniciasse a partir do seu museu, onde se compreende a história e a evolução do território, de forma etnográfica, bem pautada e didática. Aqui entende-se o perfil do macaense, a presença portuguesa, a geografia e arquitectura do território.


[04 de Junho de 2007: deixei esta crónica de viagem a meio... Passado um ano, um mês e alguns dias, volto para a completar. Já voltei a Macau e como antevia... a mutação é uma constante]

Do Museu para o jardim... assim daria continuidade à visita de Macau, caminhando a pé pela Rua Tomás Vieira, até ao Jardim de Camões, onde segundo a lenda, o poeta terá terminado alguns dos seus sonetos. É um local aprazível, que os macaenses fazem questão de o preservar e desfrutar...

Diariamente ali se cruzam velhos de jardim, desportistas, turistas e curiosos, aproveitando o espaço das mais diversas formas, ora para ler excertos d'Os Lusíadas, ora para dar uso aos aparelhos de desporto (que a «democracia chinesa» faz questão de proliferar pelas suas cidades, como incentivo ao desporto na 3ª idade), ora para realizar massagens aos pés em passadeiras de pedra ou simplesmente observar a cidade da colina e a fronteira para lá do Canal dos Patos.

O jardim, a praça que o antecede (que, de resto, também serve de entrada na Fundação Oriente) e as ruas que dali partem para a cidade a Sul, marcam uma rotura com o passado... imagine-se... na limpeza. Macau é eleita pelo 8º ano consecutivo a 2ª cidade mais limpa da Ásia, logo a seguir a Singapura.

É precisamente uma dessas ruas que nos conduz até às Ruínas de S. Paulo, cuja história rica e curiosa merece a compra de um guia mais detalhado.

A partir daí, a azáfama das compras prolonga-se pelas ruas, em jeito de ladeira, até à bela Praça do Leal Senado, em calçada portuguesa e muito bem preservada.

Aqui vale a pena subir as escadas do Leal Senado e entrar por momentos (senão mesmo para ler um qualquer documento histórico) e conhecer a sua biblioteca, que, nos picos do calor, sabe tão bem quanto a habitual frescura de uma igreja.

É também na praça que se encontra a Igreja de S. Domingos, inserida no conjunto urbanístico classificado pela UNESCO, num estilo barroco que nos é familiar, ainda que as suas origens sejam espanholas (culto a nossa Senhora do Rosário). Hoje, alberga um pequeno museu de arte sacra, instalado nos 3 andares do campanário. Vale a pena uma visita, mesmo que breve.

Os pontos de interesse turístico de Macau desmultiplicam-se em muitos mais monumentos, como o Templo da Deusa A-MA, a Igreja da Penha ou até o Farol da Guia. Mas as novas construções, inovadoras na forma e no estilo, prendem os nossos olhos. Os hotéis transformam-se em obras de arte, as pontes em paisagem pura e a Torre de Macau no «novo farol» de Macau.

Os casinos dominam a baixa ribeirinha da cidade e os parques lúdicos também (ex. Fisherman's Wharf - uma réplica arquitectónica da fachada das grande metrópoles mundiais, que alberga restaurantes de cozinha internacional).

E porque falamos de cozinha, vale a pena deixar alguns nomes: Espaço Lisboa, Litoral, Torre de Macau. Aqui poderá provar a melhor cozinha portuguesa.